18/08/17
(Mateus 19,3-12) Naquele tempo,  os fariseus vieram perguntar a Jesus para pô-lo à prova: “É permitido a um homem rejeitar sua mulher por um motivo qualquer?”  Respondeu-lhes Jesus: “Não lestes que o Criador, no começo, fez o homem e a mulher e disse:  ‘Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher; e os dois formarão uma só carne’? Assim, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus uniu”.  Disseram-lhe eles: “Por que, então, Moisés ordenou dar um documento de divórcio à mulher, ao rejeitá-la?”  Jesus respondeu-lhes: “É por causa da dureza de vosso coração que Moisés havia tolerado o repúdio das mulheres; mas no começo não foi assim.  Ora, eu vos declaro que todo aquele que rejeita sua mulher, exceto no caso de matrimônio falso, e desposa uma outra, comete adultério. E aquele que desposa uma mulher rejeitada, comete também adultério”.  Seus discípulos disseram-lhe: “Se tal é a condição do homem a respeito da mulher, é melhor não se casar!”  Respondeu ele: “Nem todos são capazes de compreender o  sentido desta palavra, mas somente aqueles a quem foi dado. Porque há eunucos que o são desde o ventre de suas mães, há eunucos tornados tais pelas mãos dos homens e há eunucos que a si mesmos se fizeram eunucos por amor do Reino dos céus. Quem puder compreender, compreenda”. Palavra da Salvação. ------------------------------------------------------------------------------------------- Comentário (Para reflexão) - #minisermao Pe. Joãozinho, Scj. Mt 19, 3-12 #minisermao Existem casamentos que nunca existiram diante de Deus porque a união foi ilegítima; faltou algum elemento essencial para o vínculo ser válido. A Igreja Católica não aceita o divórcio, ela segue o ensinamento de Jesus: "O que Deus uniu, o homem não separe!" Mas a Igreja Católica reconhece que, em alguns casos, não houve vínculo, não houve casamento válido porque faltou algum elemento essencial, por exemplo: a liberdade, para dizer sim; ou a falsidade no coração que disse sim, quando queria dizer não e o sacerdote perguntou: "Promete ser fiel?" E ele disse "Sim!" Mas na verdade já premeditava em dizer não. "Aceitam receber os filhos?" Ela disse sim, mas não queria ter filhos. São vários casos em que o vínculo não existiu.
História Eventos Notícias Contato Rua do Carro, S/N - Nazaré              CEP.: 40.040-420 - Salvador/Ba               www.salvesantana.org.br             secretaria@salvesantana.org.br
Palavra do Padre
Pe. José Abel Carvalho Pinheiro “AQUI NESTE LUGAR, DIZ O SENHOR DOS EXÉRCITOS, TEM UM POUCO DE PÃO” Assim está escrito no Baixo Coro – entrada central da nossa Igreja. Agora podemos ler e meditar esta frase, após a restauração da Matriz de Sant’Ana. Em outubro de 2016, estarei completando uma década de trabalhos pastorais e administrativos, especialmente sem poupar esforços para ver concluída a restauração da nossa Igreja de Sant’Ana. Quando aqui cheguei, as lágrimas vieram aos meus olhos tamanho o estado de degradação da Igreja: escadas podres, telhado cheio de pingueiras, instalações dependuradas, poças e poças de água, cupins, etc, etc. Por tudo isso, a Defesa Civil havia interditado o Templo, em 2005. De pronto começamos a trabalhar, constituindo uma equipe. Criamos o Projeto SALVE SANT’ANA, que foi somado a outras iniciativas para arrecadação de fundos: festivais de tortas,  jantares, campanhas, rifas, festas beneficentes, etc. Hoje, com a graça de Deu e a proteção de Senhora Sant’Ana, e com o apoio  e a generosidade da grande comunidade paroquial e devotos, já vivenciamos as festas de reabertura da Igreja. Assim é que os festejos da Padroeira este ano serão celebrados na nave central , ao mesmo tempo em que  em quatro eventos especiais festejamos a conclusão das obras de restauração. Dia 29/07 acontecerá a grande celebração, a Missa de Dedicação da Igreja Matriz, presidida pelo Arcebispo Dom Murilo Krieger, Louvo a Deus pelas forças que não me faltaram, pelas parcerias e apoios recebidos do IPHAN, BNDES, GLOBAL PARTICIPAÇÃO EM ENERGIA LTDA., GOVERNO DO ESTADO e IRMANDADE DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO E SANT’ANA. (Padre José Abel Pinheiro)